Qual é a importância da análise ergonômica na vida dos trabalhadores?

Escritório que passou por uma profunda análise ergonômica

A Análise Ergonômica do Trabalho é um importante documento para a avaliação dos riscos ergonômicos existentes no ambiente laboral. Esse documento inclui a avaliação quantitativa e qualitativa dos riscos provenientes do próprio ambiente de trabalho, de equipamentos, máquinas e tarefas executadas pelos colaboradores.

A análise ergonômica é uma das principais ferramentas utilizadas em Segurança do Trabalho para assegurar o bem-estar dos funcionários. Da mesma forma, o documento é um modo de obrigar as empresas a cumprirem a norma regulamentadora NR-17 vigente.

Saiba mais sobre a importância da análise ergonômica para a qualidade de vida dos colaboradores neste post da Vendrame – Segurança do Trabalho, Medicina Ocupacional, Meio Ambiente.

O que é Análise Ergonômica do Trabalho (AET)?

Investir no bem-estar dos trabalhadores deve ser uma premissa básica de toda empresa. Contribuir para a qualidade de vida do capital humano é uma forma de motivar os colaboradores. Consequentemente, essa ação que acaba gerando um aumento de produtividade nas empresas.

Pensando nisso, a adoção de planejamento e de estratégias de Segurança e Medicina do Trabalho é primordial para que se consiga oferecer um ambiente livre de riscos (ou com riscos reduzidos).

Nesse cenário, a análise ergonômica possibilita identificar, checar, relacionar e comprovar funções e máquinas ou objetos usados por cada um dos empregados.  O documento ainda permite mensurar os impactos que as próprias tarefas e equipamentos usados geram, direta ou indiretamente, sobre a saúde dos colaboradores em sua rotina de trabalho.

De modo geral, o documento lista todos os possíveis riscos ergonômicos aos quais os empregados estão expostos no espaço laboral. Além disso, todo o documento segue as diretrizes da NR-17, que trata sobre ergonomia e estabelece parâmetros que proporcionem conforto, segurança e desempenho eficiente aos trabalhadores.

As empresas que contam com funcionários que desempenham atividades de risco precisam realizar esse procedimento para cada colaborador, individualmente.

Diferença entre análise ergonômica do trabalho e laudo ergonômico

Em muitas ocasiões, os termos análise ergonômica do trabalho e laudo ergonômico são mencionados como se fossem itens diferentes. No entanto, o termo “laudo ergonômico” não existe, em teoria, de acordo com a NR-17. Esta norma regulamentadora não cita, em nenhum momento, o laudo, constando apenas a menção ao AET.

Benefícios da AET

O documento gera inúmeros benefícios para empresas e empregados, como:

  • Melhorias nos padrões de segurança do trabalho implementados pela empresa;
  • Redução de ações trabalhistas e de multas por causa de processos movidos por funcionários que tiveram doenças causados pelos riscos ocupacionais;
  • Aumento da motivação. do engajamento e da satisfação das equipes internas e terceirizados;
  • Elevação da produtividade;
  • Redução do absenteísmo e da rotatividade de funcionários.

Quem pode desenvolver e assinar a AET?

De acordo com o item 13.1.1 do Manual de Perícias Médicas do INSS, a escolha e nomeação do profissional que pode produzir e assinar a AET fica a critério do Juiz. No entanto, é sabido que o responsável técnico precisa ter conhecimento técnico, certificação e inscrição no órgão de classe responsável por sua área profissional.

Normalmente, as análises são elaboradas por ergonomistas, ou profissionais como fisioterapeutas, médicos do trabalho, engenheiros de segurança, dentre outros.

Se você não conta com um profissional com tais características em sua equipe interna, conte com os serviços da Vendrame – Segurança do Trabalho, Saúde e Meio Ambiente.

Dispomos de ergonomistas especializados na elaboração da Análise Ergonômica do Trabalho – AET. A documentação é preparada com total compromisso, ética e cumprimento das normas vigentes.

Fale conosco e conheça mais sobre os nossos serviços!

Avaliação
Fechar Menu