COMO ESTABELECER UM PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA EM UM HOSPITAL

O programa de proteção respiratória (PPR) é um instrumento muito importante para trabalhos de risco. Sua aplicação está diretamente ligadas a diferentes áreas de atuação, incluindo a de saúde. Neste sentido, sua presença em hospitais é muito importante.

Assim sendo, veja a seguir como estabelecer um programa de proteção respiratória em hospitais de forma adequada. Seguindo algumas dicas e critérios, além de contar com uma equipe especializada, será possível garantir a saúde de todos os profissionais do local.

O programa de proteção respiratória no hospital

Em primeiro lugar, você precisa ter em mente que a proteção respiratória se faz necessária em qualquer local que possa contar agentes nocivos à saúde ao serem inalados. Neste sentido, se destacam por exemplo:

  • Substâncias químicas, como gases e vapores;
  • Substâncias em forma de partículas, como poeira, névoa e fumaça;
  • Vírus e bactérias diversos que se propagam no ar.

Sendo assim, levando em consideração especificamente o último item, a possibilidade desses agentes prejudicar profissionais de hospitais é grande. Assim, a implementação do programa de proteção respiratória no local faz toda a diferença.

Aplicando o PPR no ambiente hospitalar

Como parte da Norma Regulamentadora nº 15, o PPR traz consigo uma série de regras para a preservação da integridade física dos funcionários. Sendo assim, as suas medidas principais incluem:

  • Medição das condições ambientais do local de trabalho, além da verificação da presença de agentes contaminantes;
  • Uso de Equipamentos de Proteção Respiratória (EPRs), recomendados para cada uma das operações de trabalho. Entre eles estão respiradores com filtros e máscaras faciais;
  • Garantia de que o ambiente de trabalho irá dispor das devidas medidas de segurança para evitar problemas aos seus funcionários.

Dessa forma, junto com esses aspectos, é preciso verificar qual o modelo de equipamento que melhor vai se adequar ao serviço prestado. Fatores como o encaixe no rosto do funcionário, além da natureza do risco e do grau de exposição as substâncias ou vírus devem ser analisados.

Garantindo resultados eficientes

Junto com as questões acima, há ainda outros fatores técnicos para a implementação do programa de proteção respiratória de hospitais. Assim, o peso do funcionário, histórico de alergias e se ele usa, ou não, lentes de contato, impactam na escolha dos EPRs e nas medidas de segurança do ambiente. Dessa forma, é fundamental contar com a ajuda de profissionais especializados.

Na medida em o hospital adota o PPR a partir de uma consultoria específica, os benefícios são muitos, principalmente levando em conta fatores como o coronavírus:

  • Diminuição do risco de doenças contagiosas;
  • Mais segurança dos funcionários de forma geral;
  • Criação de uma cultura positiva de preocupação com o trabalhador;
  • Redução de custos com multas e indenizações.

Portanto, na hora em que precisar de um suporte especializado para implementar o programa de proteção respiratória no hospital, conte com a Vendrame. Vamos realizar uma análise completa do ambiente, estipulando as melhores estratégias para garantir a saúde e o bem-estar de todos os trabalhadores. Entre em contato conosco hoje mesmo.

veja mais

COVID 19 DEVE CONSTAR NO PPRA?

COVID 19 DEVE CONSTAR NO PPRA?

Temos recebido constantemente questionamento das empresas acerca da inserção no PPRA, na seção do risco biológico, do SARS-CoV-2, causador da atual pandemia...

Confira